“Com base na declaração de Bakthin, pode-se afirmar que ler não é unicamente decodificar os símbolos gráficos, é também interpretar o mundo em que vivemos”. (Patrícia F. Bianchini).



segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Ferreira Gullar dentro da vida veloz

Gullar, sem dúvida, deixou uma obra poética que 
terá como legado a imortalidade.
Foto: Divulgação.

Publicado originalmente pelo Portal Dom Total, em  05/12/2016.

Ferreira Gullar dentro da vida veloz.

O país fica menos poético com a partida do poeta maranhense autor de "Poema Sujo".


Por Ricardo Soares*

A ceifadeira da morte, que esse ano trabalhou inclemente, acaba de nos levar o poeta Ferreira Gullar e, piegas ou não, é mister dizer que o país fica menos poético com a partida do poeta maranhense autor do seminal "Poema Sujo" entre outras maravilhas que concebeu em quase 70 anos de poesia desde "Um pouco acima do chão" de 1949.

Nos últimos anos parte da esquerda e o Fla-Flu político generalizado colocou Gullar na vala comum dos imbecis, dos atrasados, dos equivocados como se fosse bom negócio julgar o mérito de um artista por suas convicções políticas. Mas isso não causa estranheza na medida em que parte dessa mesma esquerda, completamente equivocada, considera o pusilânime Ciro Gomes como alternativa presidencial.

O debate que se travou nas redes sociais a partir da morte de Gullar é constrangedor, principalmente porque tanto seus detratores quanto os defensores dão claras mostras de jamais terem lido um único verso dele, reduzindo-o a uma espécie de porta-voz de conveniências. A que ponto chegamos quando o vigor poético de um país se mede com essa régua.

Profissionalmente estive com Ferreira Gullar uma meia dúzia de vezes durante a vida. A última creio que no dia 13 de março de 2004, no seu apartamento de Copacabana, rodeado de gatos, livros de arte e, lógico, poesia. Me autografou a 11º edição do seu " Toda Poesia", editado pela José Olympio e me concedeu uma bela entrevista para o programa televisivo "Mundo da Literatura" que eu então dirigia e apresentava.

A essa altura da pobreza e estreiteza educacional e intelectual brasileira é muito triste ver a que ponto reduzimos Ferreira Gullar. É de se lamentar o pouco conhecimento que se tem dele nas escolas e universidades como lembrou ontem em entrevista à rádio Bandnews o escritor e professor Deonísio da Silva, que bem recorda que quando muito se ensina – e ainda à base de resumos - a poesia modernista pós semana de 1922. Se não chegamos ainda nem a Gullar que dirá aos poetas que hoje estão vivos e bem dispostos, produzindo.

Fosse ser refém do desalento nacional, do pouco apreço às palavras e aos versos  talvez Gullar tivesse durado menos que os 86 anos que viveu.  Não tenho aqui a menor pretensão de escrever algo muito original a seu respeito. Há gente mais capacitada para isso. Mas faço questão de pedir respeito ao morto não porque morto está. Mas porque, sem dúvida, deixou uma obra poética que terá como legado a imortalidade.

*Ricardo Soares é escritor, diretor de TV, roteirista e jornalista. 

Texto e imagem reproduzidos do site: domtotal.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário