“Com base na declaração de Bakthin, pode-se afirmar que ler não é unicamente decodificar os símbolos gráficos, é também interpretar o mundo em que vivemos”. (Patrícia F. Bianchini).



segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Morre o poeta Ferreira Gullar, aos 86 anos


Publicado originalmente no site Metrópoles, em 04/12/2016.

Morre o poeta Ferreira Gullar, aos 86 anos.

Escritor, poeta, dramaturgo e crítico, Ferreira Gullar morreu aos 86 anos,
no Rio de Janeiro

Ferreira Gullar, reconhecido poeta, crítico de arte e dramaturgo, morreu neste domingo (4/12), aos 86 anos. As causas do falecimento ainda não foram divulgadas. O escritor estava internado no hospital Copa D’Or, no Rio de Janeiro. Em 2014, o autor foi eleito para a Academia Brasileira de Letras. Ao longo da carreira, acumulou vários prêmios, como Jabuti e Camões.

Um dos fundadores do neoconcretismo, Ferreira Gullar foi um personagem intensamente ativo na cultura brasileira. Nascido em São Luís (Maranhão), mudou-se para o Rio nos anos 1950 e ajudou a formar os pilares iniciais da chamada poesia concreta ao lado dos artistas Lígia Clark e Hélio Oiticica.

Exílio e “Poema Sujo”.

Nos anos 1970, teve que se exilar durante a ditadura militar por sua filiação ao Partido Comunista. Ao retornar ao Brasil, em 1977, chegou a ser preso, mas depois conseguiu retomar a carreira. Foi durante o refúgio na Argentina que ele publicou um de seus livros mais importantes.

“Poema Sujo” (1976) mistura autobiografia com um balanço dos tempos sombrios vividos pelo Brasil e pela América Latina. O livro ganhou reedição caprichada em 2016 pela editora Companhia das Letras, com apresentação do próprio poeta e introdução de Antônio Cícero.

Prêmios.

Entre os vários prêmios e láureas obtidos, Ferreira Gullar foi indicado ao Prêmio Nobel de Literatura em 2002. Venceu o prêmio Jabuti de melhor ficção em 2007 pelo livro “Resmungos”, em que reúne crônicas publicadas no jornal “Folha de S. Paulo”. Em 2011, tornou a conquistar a honra pelo livro de poesia “Em Alguma Parte Alguma”.

Em 2010, ganhou o importante Prêmio Camões, destinado a escritores de língua portuguesa. Gullar também recebeu o título de Doutor Honoris Causa da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), por meio da Faculdade de Letras da instituição.

Texto e imagem reproduzidos do site: metropoles.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário