“Com base na declaração de Bakthin, pode-se afirmar que ler não é unicamente decodificar os símbolos gráficos, é também interpretar o mundo em que vivemos”. (Patrícia F. Bianchini).



segunda-feira, 17 de abril de 2017

10 dicas de leitura essenciais para amar os livros


Publicado originalmente no site Huffpostbrasil, em 22/05/2015.

10 dicas de leitura essenciais para amar os livros

Por Aina Cruz Redatora (tradutora, roteirista e blogueira).

Quem gosta de ler sabe que não há melhor companhia nessa vida que um bom livro. Sempre que leio grandes autores fico emocionada e me corrói uma pontinha de inveja da destreza que eles apresentam para transformar tudo que em nós, humanos, é latente em tanta arte, essa força motriz que tudo move e transforma. A literatura nos edifica a cada linha.

Certa vez, quando empreendi com meus alunos do ensino fundamental a tarefa de ler uma adaptação do romance Notre Dame de Paris decidi, antes de iniciar a leitura, executar uma enquete a respeito da leitura. Perguntei a eles se gostavam de ler.

Para minha surpresa, a maior parte deles disse que sim, mas alguns não gostavam muito das leituras propostas pela escola. Atribuí esse dado à questão da obrigatoriedade, que termina por encher as coisas mesmo de uma certa chateação.

Então, quis saber deles o porquê do gosto pela leitura. As respostas foram variadas e, de maneira geral, bastante interessantes. Porém, uma entre elas me chamou mais a atenção: "porque existem histórias, professora, que mudam a nossa vida".

Ainda lembro-me do impacto que a frase me causou, pois, de maneira simples e efetiva, aquela aluna acabava de me contar a razão pela qual também eu era tão apaixonada pelos livros.

Na época, eu era professora de francês em uma escola de ensino fundamental que tinha essa língua como obrigatória, assim, tínhamos semanalmente aulas de gramática e de literatura.

Recordo-me que essa resposta me fez rever toda a metodologia que eu utilizava para trabalhar a literatura francesa com meus alunos, pois, naquele momento resolvi dizer adeus a todas as regras e obrigatoriedades chatas de aquisição de vocabulário e estruturas linguísticas, para dedicar-me completamente ao deleite daquela linda história com a qual Victor Hugo nos havia presenteado.

Cada dia mais ciente do poder transformador da literatura, decidi fazer uma lista de dez livros que considero essenciais. Não os elenquei aqui do melhor para o menos bom. Isso seria impossível.

A ordem é aleatória e só o que posso dizer é que lamento não ter mais mulheres presentes nesse post, fato que reflete, mais uma vez, a nossa estrutura patriarcal que impede as grandes autoras de figurarem na mesma proporção que os homens no cânone literário.

Com as devidas e necessárias observações já pontuadas, passemos às obras:

1.            Os Dragões Não Conhecem o Paraíso, de Caio Fernando Abreu - Um conto mais intenso e inenarrável que o outro. Caio mergulha no âmago da nossa alma e o conto que dá título ao livro é uma das coisas mais lindas que já foram escritas, certamente. A transitoriedade, a vulnerabilidade humana, está tudo ali, nas linhas e em suas entrelinhas. Desde que o li, todos os dias, quando acordo, entoa feito mantra: "que seja doce".

2.            Primeiras Estórias, de Guimarães Rosa - Não são histórias, são estórias e, sim, isso faz toda a diferença. Guimarães nos coloca defronte ao imponderável do humano, mas com toda a condição de redenção. Os personagens vão do terreno ao céu, eles ascendem e transcendem suas dificuldades e apequenamentos. Desse tipo de beleza que salva, assim é Substância e A Menina de Lá.

3.            Júbilo, Memória, Noviciado da Paixão, de Hilda Hilst - Esse livro, mais do que qualquer outra coisa que eu possa ter lido em minha vida, ensinou-me o que é estar apaixonada, o que é ser amante de alguém. O eu-lírico descreve suas dúvidas, anseios, incertezas de uma forma tão entregue, exatamente como sempre fui, sou e serei diante de meus enamoramentos seja por algo ou alguém. Certa feita, recitei o poema de abertura do livro para um paquera na balada. Tínhamos 17 anos. Ele não entendeu. Correu de mim. Graças a Deus, pois de brutos assim o inferno anda cheio.

4.            A Teus pés, de Ana Cristina César - A poesia de A.C.C me diz tanto que não consigo discorrer sobre, sinceramente. Acho que me movimenta em lugares que eu sequer compreendo, mas amo como ela é livre, como ela dói e como ela nos deixa espaços e vazios que devemos decifrar e tentar preencher com nós mesmos.

5.            O Estrangeiro, de Albert Camus - O protagonista desse romance, o Sr. Meurseault, primeiro nos revolta com sua falta de habilidade social e depois nos comove. Sua existência é uma catarse coletiva, é o mundo afirmando que seremos julgados, é a teoria do absurdo na veia. É entender-se humano, limitado dentro de lógicas ilógicas.

6.            América ou O Desaparecido, de Kafka - Cheio de situações kafkianas. Não há como definir sem essa redundância. Até onde escolhas feitas ao acaso podem nos levar? O livro ficou interminado pelo autor, que faleceu antes de concluí-lo.

7.            O Capitão Saiu Para o Almoço e Os Marujos Tomaram Conta do Navio, de Charles Bukowiski - Trata-se do diário dos últimos anos de vida do autor. Mas não espere melancolia de quem está saudoso da existência. Não. Você só vai encontrar a verdade nua e crua sobre a vida, o mundo e as pessoas que nele vivem. Vai aprender que passar por aqui é bom, se tiver um hobby e uma garrafa de uísque por noite.

8.            A Legião Estrangeira, de Clarice Lispector - E dos escombros, nasce o humano. Seus desejos, suas paixões. Ciúme, inveja, raiva, medo. Está tudo lá, daquele jeito que a gente passa o tempo tentando negar que sente, mas toda pessoa existente sobre a face da Terra se reconhece em cada um desse contos.

9.            Paris É Uma Festa, de Ernest Hemingway - Indico sobretudo para quem sonha de viver de literatura. Para os amigos cheios de talento e ainda sem nenhum reconhecimento. Trata-se do relato do autor da época que decidiu tornar-se escritor, mudando-se para Paris e de sua batalha para escrever algo que o torna-se renomado. Contudo, ele conta com a ajuda de autores célebres como Ezra Pound, com quem discute longamente sobre o "fazer literário". A obra inspirou o filme Meia Noite em Paris e, acredito, apenas isso já valha alguma atenção.

10.          Anna Karenina, de Liev Tolstói - Mais do que uma bela história de adultério e amor, a narrativa russa nos confronta com a construção patriarcal, com o lugar delegado às mulheres no século XIX e nos faz refletir o quão pouco isso tudo foi modificado e o quanto mulheres ousadas são, desde sempre, ridicularizadas e excluídas da "ordem" social.

E você, quais livros indicaria? Quais estórias ou histórias são fundadoras do seu eu.

Texto e imagem reproduzidos do site: huffpostbrasil.com/aina-cruz

Nenhum comentário:

Postar um comentário